Boletim CILeite: Cenário econômico mais fraco tem segurado as cotações dos lácteos

maio 5, 2021

5 dicas sobre gestão financeira de fazendas

Os preços dos lácteos no mercado atacadista seguiram fracos nas últimas semanas. Mesmo com a menor disponibilidade interna de leite com o início da entressafra e a redução nas importações, o cenário econômico de alta taxa de desemprego, redução na renda e maior inflação tem afetado a demanda e, consequentemente, o repasse de preços. No fechamento do mês de abril (30/04), o movimento foi de pequena alta sobre a média do mês anterior para o leite UHT e o queijo muçarela, que subiram 2%. Já o leite em pó fracionado registrou queda na última semana, fechando o mês com redução de 2%. O leite Spot, que apresentou forte alta na segunda quinzena de março, estimulado pelo mercado internacional, perdeu forças em abril, fechando o mês com queda de 4%.

 

 

Conseleites estaduais projetam ligeira alta para o pagamento de maio

Em abril, o preço do leite ao produtor registrou a primeira alta em 2021, de 2,3%, após três meses em queda. Para o pagamento de maio, os Conseleites projetam nova elevação. Minas Gerais indica a maior alta, de 2,9%, enquanto Rio Grande do Sul e Santa Catarina sugerem aumento menor, de 0,9%. A exceção ficou por conta do Paraná, que indicou pequena queda, de 0,1%.

 

Preço do milho continua subindo enquanto farelo de soja recua

As projeções de redução na safrinha do milho no Brasil devido à problemas climáticos na região Centro-Sul, associada a demanda aquecida e aos baixos estoques tem pressioando as cotações do milho. Em abril, as cotações aproximaram-se dos R$100,00 por saca, alta de 9% sobre a média de março e de 89% frente a abril de 2020. Já na soja, com a colheita da safra 2020/21 em fase final e as indicações de uma boa safra contribuíram para segurar os preços, que caíram 3% no mês, apesar de ainda estarem 50% superiores ao mesmo mês de 2020. No mercado bovino, os preços da arroba do boi subiram pouco, enquanto que o bezerro teve alta mais forte. Já o dólar recuou ao longo do mês, com queda de 4% na taxa de câmbio que fechou o mês a R$5,40/US$.

 

Fontes: CILeite Embrapa

Cadastre na nossa newsletter e receba nossas novidades!

Integração
Captcha obrigatório

Últimas Notícias

Os assuntos mais relevantes do momento sobre gestão, inovação, tecnologia e agronegócio.